Novas regras para o cancelamento do plano de saúde começam a valer

Mudança garante a clareza, mas permite cobrança de multa por quebra de fidelidade

 

A partir de amanhã (10), entram em vigor novas regras para o mercado de planos de foto-com-equipamentos-e-logo-anssaúde, que atualmente tem 47,8 milhões de contratatos ativos (incluindo os planos de assistência médica e aqueles exclusivamente odontológicos).

Segundo a ANS (Agência Nacional de Saúde Complementar), O objetivo é garantir clareza, segurança e previsibilidade ao consumidor durante o processo de cancelamento ou exclusão do plano. Entre as novidades estão a obrigatoriedade de as operadoras emitirem comprovante de ciência do pedido de cancelamento ou exclusão, seguido do comprovante de efetivo cancelamento.

"Atualmente, a maioria dos contratos de planos de saúde oferecidos para pessoas físicas contempla regras apenas para a situação de cancelamento por parte da operadora. Quando é o consumidor quem quer pôr fim ao contrato, a situação não é bem definida e isso permite que as operadoras possam agir de forma abusiva", diz a advogada Claudineia Jonhsson, especialista na legislação dos planos de saúde.

Exemplo disso é a situação em que o consumidor está inadimplente e deseja cancelar o plano de saúde. Quando isso acontece, muitas operadoras exigem a quitação do débito para só então efetivar o cancelamento, o que não pode ser admitido. Existem outras formas de a operadora exigir que o consumidor pague a dívida, mas ele não pode ser obrigado a ficar vinculado ao plano de saúde enquanto essa dívida estiver pendente de pagamento.

 

O que muda 

A partir de amanhã, as regras terão que ser claras e a operadora deverá disponibilizar meios efetivos para o usuário cancelar o serviço diretamente em um posto de atendimento ou através de telefone ou, ainda, através do espaço do cliente no site da operadora de saúde.

Os usuários de contratos empresariais - aqueles oferecidos pelo empregador –, com cerca de 31,7 milhões de contratos ativos, também passarão a contar com mais uma forma para cancelar o serviço. O pedido continua a ser feito perante o RH da empresa em que trabalha, mas se o pedido não for atendido em 30 dias, o usuário poderá requerer o cancelamento diretamente com a operadora de saúde.

"Infelizmente, a nova resolução também conta com aspectos negativos. A ANS vai permitir que a operadora de saúde possa cobrar multa do consumidor que cancelar o plano de saúde antes do fim do prazo de vigência. Essa permissão para a operadora exigir fidelidade contratual mínima é ilegal, mesmo partindo da ANS e o consumidor que tiver esse tipo de problema poderá exigir o cancelamento da multa através de uma ação judicial", diz a advogada Claudineia Jonhsson.

 

Fonte:
http://noticias.r7.com/economia/novas-regras-para-o-cancelamento-do-plano-de-saude-comecam-a-valer-amanha-10-09052017
29/05/17

UA-93789031-1